Let's Go Back To The History Of Hairdressers!

Vamos voltar à história dos cabeleireiros!

A história dos cabeleireiros parece errada, né? Bem, todo mundo está curioso sobre coisas estranhas. Os cabeleireiros não são os mais fortes. Muitas vezes cortamos o cabelo de vez em quando. Ou talvez os últimos dois anos tenham feito de você o cabeleireiro DIY carregando uma tesoura ERGO e cortando algumas camadas extras de sua cabeça. Mesmo assim, você conhece o termo cabeleireiro e seu trabalho. Você ficará surpreso se lhe dissermos que os cabeleireiros não costumavam cortar o cabelo apenas uma vez?

Esta profissão passou pelos testes do tempo com as mudanças sociais e económicas. Os cabeleireiros passaram de cirurgiões a padres até o que você vê agora. Deve ser surpreendente que um cabeleireiro ganhasse mais que um médico, mas é verdade! Deixe-nos saber uma coisa: todo ser humano é filho de seu tempo, ou seja, exorcismo, odontologia e habilidades de cirurgião não exigiam nenhum diploma profissional naquela época. Mas com o tempo as coisas mudaram, assim como o cabeleireiro como profissão.

Uma vez que os barbeiros

Os primeiros cabeleireiros eram chamados de barbeiros, derivado da palavra latina Barba que significa barba. A história dos barbeiros remonta aos primórdios da humanidade nas terras do Egito e de Roma. Saltando de uma profissão para outra, os barbeiros realizavam cirurgias, exorcismo, batismo e cerimônias de casamento. Todas essas profissões eram a demanda daquela época. Superstições, falta de profissionais qualificados, religião, questões econômicas, etc., influenciaram o crescimento e a evolução da profissão de cabeleireiro. A falta de medidas médicas adequadas tornou a situação tão terrível que, a certa altura, barbeiros multiqualificados desempenhavam tarefas de cirurgiões, dentistas e até recebiam mais. A separação da profissão de barbeiro dos procedimentos médicos começou com o desenvolvimento da ciência médica. Depois de 1745, os barbeiros limitaram-se apenas a pentear e raspar bigodes e barbas. No entanto, deixe-nos contar brevemente a história dos cabeleireiros abaixo:

Estilo de vida urbano e renascimento

O cabeleireiro como profissão não foi encontrado em lugar nenhum até o renascimento das cidades. Os cabeleireiros voltaram com a reformulação do estilo de vida urbano e da moda no período intermediário. Aqui, realizavam diversas tarefas como barbear clientes, arrancar dentes, cirurgias, etc. O Renascimento deu à profissão de cabeleireiro o golpe mais significativo ao introduzir as cabeleireiras femininas.

Penteados e os fabricantes de perucas

Com a chegada da era moderna, os penteados e penteados de celebridades tornaram-se o próximo destaque na história dos cabeleireiros. No século XVII, os penteados ultrapassaram todas as limitações de género, abrangendo mulheres e homens. As fases iniciais do século XVIII pertenceram aos fabricantes de perucas, mas o início da Revolução Francesa reprimiu os penteados e o interesse pelas perucas, tornando a sua situação deplorável.

O declínio no comércio

A industrialização e a urbanização fizeram do século o pior golpe para os cabeleireiros. Os barbeiros recebiam os valores mais baixos, e os seus clientes abandonaram o cabeleireiro devido às condições económicas caóticas. Eles foram reduzidos a negócios ocasionais.

O impacto da onda Marcel

A onda marcel trouxe o cabeleireiro para o estágio atual ao atrair mulheres de todas as esferas da vida, criando uma onda de salões de beleza. O sucesso incomparável da Revolução Marcel deveu-se às mudanças sociais entre as mulheres jovens. Isso levou os cabeleireiros ao auge do sucesso.

Um mercado sem fim

Com a mudança dos tempos, as demandas mudaram. A guerra mundial tornou-se ainda mais um fator revolucionário no comércio de cabeleireiro. A autonomia económica e pessoal das mulheres aumentou a base de mercado dos cabeleireiros ao feminizar o trabalho masculino dominante. Além disso, os famosos penteados curtos criaram moda nas sociedades ocidentais da década de 1920, ligando o cabeleireiro à arte. As lojas começaram pequenas, mas seu número se multiplicou, impulsionando a onda fashion do mundo moderno. A nova era da moda e dos negócios deu aos cabeleireiros femininos novas oportunidades de negócios e caminhos artísticos, mas o caso dos cabeleireiros masculinos foi o oposto.

Revolução no consumismo

O consumismo que se seguiu à 2ª Guerra Mundial levou muitas mulheres aos salões de cabeleireiro. Embora o comércio fosse feminilizado, muito poucas mulheres pioneiras conseguiram chegar ao topo.

Mercadorias e salões

Na década de 1950, todo o sistema de cabeleireiro mudou, com mais pessoas entrando no ramo de cabeleireiro. Talvez tenha sido então que o cabeleireiro teve um grande avanço.

A internalização da moda capilar

Com a globalização, não demorou para que a moda do cabelo mudasse a forma como as pessoas percebiam os penteados ou penteados. Novas tendências abriram caminho para novos prodígios e o surgimento de novas capitais da moda. Foi agora que todo o debate em torno do cabeleireiro como profissão se tornou desnecessário. A era da Internet tornou mais fácil para os barbeiros comprarem as melhores tesouras para barbeiros , e a remoção de todas as fronteiras físicas tornou-se um obstáculo para a obtenção de bons equipamentos para modelar o cabelo.

Notas Finais!

O cabeleireiro, que começou como uma mera profissão de aparar e fazer a barba, atravessou o tempo e tornou-se uma moda prospectiva. A habilidade que antes era aplicada no cabelo de poucos agora não é mais um acessório. Todos podem pagar um cabeleireiro dependendo de seu orçamento, necessidade e estilo. Porém, a curiosidade justifica que o local que servia ao propósito de notícias e fofocas diárias ainda seja um local onde muitos se conectam e interagem; apenas os horizontes se expandiram.

Voltar para o blogue